Nosso Lar’ visto por lentes estrangeiras

Enviado por Rodrigo Fonseca

03.09.2010 – 08h00m

‘Nosso Lar’ visto por lentes estrangeiras


Sobrenatural, um termo pertinente ao longa-metragem “Nosso Lar”, que estreia nesta sexta-feira com 400 cópias, costuma ser empregado em relação a seu diretor de fotografia, o suíço Ueli Steiger, por dois aspectos radicalmente diversos: a) a exuberância visual que virou marca de seu trabalho; b) a feijoada que ele aprendeu a cozinhar no Brasil.

— Não sei se o meu feijão fica tão bom assim. Mas eu aprendi a misturar os elementos certos — diz Ueli, fotógrafo de sucessos de bilheteria de Hollywood como “O dia depois de amanhã” (2004) e “Austin Powers, o agente ‘Bond’ cama” (1999).

Steiger está no Rio para o lançamento do filme baseado no best-seller psicografado por Chico Xavier, candidato a blockbuster nacional da vez.

— Eu não sou muito religioso. E, embora o espiritismo seja popular na Suíça, sua popularidade lá não se compara à fé brasileira. Tratei “Nosso Lar” como se fosse uma ficção científica, fugindo do formato de filme bíblico. É um longa de época, narrado sob a ótica dos anos 30, 40 — ele conta.

Ueli se refere ao período histórico atribuído à morte do protagonista de “Nosso Lar”, o médico André Luiz, interpretado por Renato Prieto, ator que já vendeu 5,5 milhões de ingressos em peças de temática espírita. Na produção de US$ 10 milhões dirigida por Wagner de Assis, André vai para uma outra dimensão ao morrer e lá é obrigado a se redimir de seus erros terrenos, após purgar uma temporada de sofrimentos.

— Trouxe uma equipe pequena, formada pelos técnicos Reid Russell, Scott Drinon e Joe Sanchez, com quem trabalho desde que comecei profissionalmente. Nossa ideia era sempre buscar um tipo de imagem que remetesse ao passado, embora tudo o que aconteça no plano místico chamado Nosso Lar pareça estar sempre à frente da Terra. Filmamos muito no Rio, mas rodamos uma parte em Brasília, cuja arquitetura sempre me atraiu — diz Ueli, que já havia filmado antes em território brasileiro.

Ele assinou a fotografia de “Do começo ao fim” (2009), no qual Aluízio Abranches narra o romance gay entre dois irmãos.

— Ueli e eu estudamos juntos na London Film School e, há tempos, a gente se falava atrás de uma chance de trabalhar junto. “Do começo ao fim” precisava do tipo de beleza que ele é capaz de oferecer a um filme — diz Abranches.

Revelado no fim dos anos 80 ao clicar atores como Jennifer Connelly, Kiefer Sutherland e Meg Ryan em “Terra prometida” e “Some girls”, ambos dirigidos por Michael Hoffman, Ueli trabalhou em cults como “Vida de solteiro” (1992) antes de se tornar o fotógrafo de estimação do cineasta alemão Roland Emmerich, midas do cinema-catástrofe. A parceria deles começou em “Godzilla”, lançado em 1998.

— Fizemos “O dia depois de amanhã” e “10.000 a.C” (2008), mas não pude entrar no projeto mais autoral dele, o drama “Anonymous”, que acaba de ser rodado — diz Ueli. — Tenho visto uma safra sul-americana forte. Torci para que “Salve geral” concorresse ao Oscar, mas não deu. Que bom que um filme do continente, o ótimo “O segredo dos seus olhos”, tenha saído vitorioso.

Anúncios

Um comentário em “Nosso Lar’ visto por lentes estrangeiras

  1. Nosso Lar, tem uma grande produção, merecidamente irá percorrer outros paízes, mostrando a beleza dessa linda colonia espiritual….Parabéns mais uma vez por essa luz!

    Curtir

Os comentários estão encerrados.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: